Skip to main content Skip to page footer
Economia
Inovação

Antiga central elétrica dá lugar à cultura e microprodução no Beato

O Browers Beato afirma-se como mais um contributo para o dinamismo da Fábrica de Unicórnios e desta área da cidade. Espaço abriu a 2 de julho, no Beato Innovation District, com microprodução de cerveja "atrás do balcão, à vista de todos", e uma área destinada a eventos.


Na antiga central elétrica da Manutenção Militar, os arquitetos Eduardo Souto Moura e Nuno Graça Moura, desenvolveram o novo espaço cultural, da iniciativa do Super Bock Group.

“Antes de ser seja o que for, é uma cervejeira”, afirma a marca, sublinhando que “existe muito para descobrir sobre cerveja e produção cervejeira. A Browers, será ”um palco para que todas as pessoas, que procuram esse conhecimento, o possam encontrar e partilhar".

Na inauguração, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, lembrou a importância que o antigo espaço teve no começo do século passado, enquanto central elétrica. “A eletricidade no princípio do século XX é o que o mundo digital está a ser hoje”, afirmou.

O “caminho enorme” feito por Lisboa nos últimos anos, nas startups, permitiu perseguir “um sonho” de fazer as scaleups, e daí “a ideia de fábrica, como está aqui, mas a ideia sobretudo de Unicórnio".

A ambição, disse “é que todas estas grandes empresas possam contribuir para a sociedade e para aqueles que mais precisam”. Aqui bem perto, lembrou, “temos um projeto com pessoas que não têm onde dormir”, e que precisam de ser “integradas num grande projeto de inovação social”.

Em novembro do ano passado, Lisboa foi distinguida com o prémio “European Capital of Innovation”. Na ocasião, Carlos Moedas anunciou que o valor do prémio – um milhão de euros – seria investido pela Unicorn Factory "para desenvolver projetos de inovação social e no combate à exclusão, usando a tecnologia como elevador social”.